Pense numa cola bem potente grudada entre seus dedos. Se tentar desgrudá-los, sem usar um produto, com certeza irá sentir muita dor e seus dedos vão ficar machucados, certo? Pois então, as aderências pélvicas são bem parecidas com isto!
Aderências pélvicas são faixas anômalas de tecido cicatricial  que  se formam na pélvis e fazer com que os órgãos fiquem colados uns aos outros. As aderências ocorrem na maioria das mulheres que fizeram cirurgia pélvica ou tem endometriose. As aderências são uma consequência comum, embora por vezes grave, de todos os tipos de cirurgias, incluindo os procedimentos ginecológicos vulgares (como dilatação e curetagem, cesariana, histerectomia, cirurgia de endometriose, miomectomia, cirurgia nos ovários e trompas), elas causam dor pélvica e infertilidade.
A formação de aderências pode ser reduzida ou até mesmo prevenida, uma vez que depois de formadas, elas tendem a reaparecer, mesmo depois de terem sido removidas cirurgicamente. 
Como se formam as aderências?  Todos os órgãos abdominais e pélvicos, exceto os ovários, estão parcialmente envolvidos numa membrana transparente denominada de peritoneu. Quando o peritoneu fica traumatizado durante uma cirurgia ou de outra forma, o local sofre um trauma e fica inflamado. A inflamação também contribui para a formação de aderências, encorajando o desenvolvimento de faixas fibrosas de tecido cicatricial. Se as faixas de fibrina não se dissolverem, podem transformar-se em aderências, que irão desenvolver-se ligando um órgão aos tecidos pélvicos que normalmente estão separados. 


Que problemas podem ser causadores das aderências?  As aderências são ocorrência comum de cirurgias pélvicas, de uma doença inflamatória pélvica, endometriose ou uma DST.  - Endometriose: Tecidos semelhantes ao endométrio se unem às superfícies de outros órgãos (útero, ovários e trompas) e na cavidade abdominal, ela provoca dor, inflamação e tecido cicatricial e pode causar a infertilidade. - Cirurgia Pélvica: A maioria das cirurgias pélvicas ou abdominais podem causar aderências, como a laparoscopia. Após uma cirurgia podem formar-se aderências, por tanto alguns órgãos têm maior probabilidade  do que outros de desenvolver aderências. - Histerectomia: É um procedimento cirúrgico para remoção do útero, trompas e ovários, as aderências podem ligar-se ao intestino delgado, dando origem a dor pélvica e as vezes complicações graves. - Dilatação e curetagem: É um procedimento cirúrgico no qual o médico dilata o colo do útero e raspa o endométrio, esses traumas podem ser chamados de sinequias. - Cesariana: Estas aderências geralmente não provocam dores, mas podem dificultar futuros partos por cesariana. Pois irá cortar através de aderências para chegar ao útero e ao bebê, o que pode aumentar a duração do procedimento e tempo de anestesia. - Cranco dos ovários: A cirurgia dos ovários é efetuada para remoção de pequenos sacos, cheio de fluídos que crescem nos ovários. As aderências se formam com frequência e podem causar dores pélvicas, dores nas relações sexuais e infertilidade. - Miomectomia: É um procedimento cirúrgico destinado a remover fibromas do útero.   A cirurgia no local pode causar aderências e elas podem afetar as trompas e ovários, causando infertilidades e dores pélvicas. - Cirurgia reconstrutiva das trompas: A reparação das trompas bloqueadas é um procedimento delicados que inclui a remoção de aderências existentes, porém as aderências podem voltar e causar dores pélvicas e infertilidade. 
Converse com o seu médico sobre a prevenção das aderências, caso você vá se submeter a cirurgias futuras. 



Que problemas podem ser causados pelas aderências?  - Dor pélvica: As aderências são uma causa muito comum de dor pélvica, isso porque elas unem órgãos e tecidos que normalmente estão separados. - Dor durante as relações sexuais - Infertilidade: As aderências entre os ovários, as trompas ou paredes pélvicas podem bloquear a passagem do óvulo dos ovários para as trompas.  As aderências em torno das trompas também podem dificultar a chegada do esperma ao óvulo.




- Obstrução Intestinal: As aderências no intestino é frequente após a histerectomia, mas nem sempre acontece, ocorre o bloqueio do intestino que limita a passagem de conteúdos e pode causar dor, náuseas e vômitos. 
Como podem ser prevenidas as aderências pélvicas?  Os cirurgiões utilizam vários métodos para evitar a formação de futuras aderências. Eles utilização de uma barreira física para separar as superfícies tissulares durante a cicatrização. 
Como tratar as aderências? A única forma de tratar as aderências consiste em removê-las ou separá-las através de cirurgia (adesiólise laparoscópica/ lise de aderências)
 


Eu sei que é difícil esperar... Mas Deus tem um tempo pra agir e pra curar... Só é preciso confiar. ♡ 
Fontes: 















7 Comentários

  1. Simplesmente ADOREI o post!!!! Apesar de ser da área da saúde, acho que informações sobre o seu caso (no caso, o meu) nunca é demais!!! bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Xará, concordo contigo! Informação nunca é demais!! As vezes não sabemos ao certo do diagnostico, causa, sintomas e outras coisas das doenças e as vezes os médicos explicam de forma superficial ou as vezes nem explicam. Aceito sugestões de assuntos! ;)
      Beijos!!

      Excluir
  2. Passei por uma curetagem em Julho/2013 ' no mes seguinte comecei a tomar o anticoncepcional injetavel q eu nunca tinha tomado de 150ml e não continuei tomando. Estou desde entao tentando engravidar tendo relações sexuais frequentes com meu esposo respeitando meus dias ferteis ' e não estou conseguindo. Minha mestruação vinha 3 dias era pouca ' mas Janeiro/2014 ela veio muito Forte durando 3 dias e com pedaços de coagulos de sangue e muito sangramento a ponto de usar absorvente pós parto em casa ' e agora em Fevereio ela veio da mesma forma. Não sei o que pode ser tenho muito medo de não poder mais engravidar ou estar com alguma coisa endometriose/hipermenorreia/mioma/cisto! O que vc pode me dizer sobre isso ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernanda!!

      O melhor de tudo é fazer uma histeroscopia cirúrgica com biopsia p saber como anda o interior do seu útero!! E fazer uma biopsia do endométrio p saber se esta tudo bem com ele. E fazer alguns exames hormonais p saber como estão!!
      Você pode vê aqui como é feita a histeroscopia: http://endometrioseeinfertilidade.blogspot.com.br/2013/09/histeroscopia-cirurgica-x-diagnostica.html

      Espero que encontre o pq da sua menstruação está assim!! E qualquer coisa, conte comigo! Beijos.

      Excluir
  3. Oi meninas, já fiz videolaparoscopia e tratamento com zoladex para a endometriose. Eu nunca tive dores, a ginecologista disse que era endometriose atípica, mas após a videolap, tenho dores todos os dias praticamente, não sei se é dor de endometriose, pois não seria dor na barriga inteira? Eu tenho dores somente do umbigo para o lado esquerdo, uma dor ardida, nunca do lado direito. Estou sem qualidade de vida, pois nesse calor não posso tomar ar na barriga do lado esquerdo (ventilador, ar condic, ar mais gelado da janela mesmo). Fico morrendo de calor da cintura para cima e me gela da cintura para baixo, parecendo que estou dentro de um freezer. Meninas, me ajudem, dor de endometriose doeria na barriga inteira, não é? Nenhum médico fala que é aderência, uns falaram para tomar allurene, mas se uma cirurgia de aderência pode resolver, por que eu tomaria essa medicação? Espero ansiosa por comentários. Vanessa - Curitiba-Pr

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Há 04 dias passei por uma lise para retirada de aderências por videolaparoscopia. Estou em recuperação, mas tive um caminho quase frustrante até o diagnóstico. Tive um parto cesárea em 2010, inseri o Mirena em 2011 e em 2013 começaram as dores uterinas mensais e desconfortos em relações sexuais, muitas vezes eu simplesmente nem ne atrevia a ter relações por causa da dor. E desde então tive dois diagnósticos errados de adenomiose e de ter um "útero nervosinho"(?) e ambos os médicos se saciaram apenas com um ultrassom me receitando um Buscopam para dor....claro q depois dessas, em 2015 eu fiquei desestimulada e larguei pra lá. Somente em outubro/2015 procurei uma terceira opinião e tive a graça divina de encontrar o Dr. Aléssio Calil Mathias esse que foi o único que vasculhou a fundo com seriedade e urgência com exames e exames até culminar na Vídeo. Meu útero estava TODO envolto e completamente colado na parede inferior do meu abdômen, sem contar q uma das trompas estava toda entrelaçada com parte do intestino e útero. O procedimento foi um sucesso! Porém estava tenso...digo isso pois vi o vídeo pois o procedimento foi gravado e carinhosamente me cedido.

    Bom meninas, depois desses tropeços, pessoas me olhando com olhares de ela está exagerando/nossa de novo...enfim consegui descobrir e tratar.
    Estou me recuperando bem, foram três furinhos e uma barriga cheia de gases incômodos que ainda persiste, rs. Mas a fora isso nao posso reclamar e torço para que a cura me tenha sido dada através dessa lise. O que indico é corram, busquem segundas ou terceiras opiniões...só não desistam e tenham fé! No mais, estou feliz e em paz. Um grande beijo à todas.

    ResponderExcluir
  5. Tenho muitos formigamentos e dores insuportáveis depois de uma curetagem, pode ser aderência por favor me ajudem

    ResponderExcluir