Há certas coisas de que todas as mulheres podem beneficiar se conhecerem e entenderem o seu corpo e a sua saúde, sobretudo durante a gravidez. É óbvio que nenhuma matéria na internet substitui uma consulta com um profissional de cuidados de saúde, mas as informações que vou fornecer permitem dispor de um bom conhecimento básico de como tudo funciona.


Conheça:

  • O seu ciclo menstrual e ovulação conheça as alterações hormonais do seu organismo durante o ciclo menstrual e o papel que desempenham na ovulação e na gravidez.


Sinais da ovulação:

Provavelmente, já sabe bastante sobre o seu ciclo menstrual – como a frequência dos seus períodos e a respectiva abundância. Nesta página vamos analisar mais profundamente o ciclo menstrual da mulher, a ovulação e os períodos. É óbvio que nenhum website substitui uma consulta com um profissional de cuidados de saúde, mas as informações que fornecemos permitem dispor de um bom conhecimento geral de como tudo funciona.


Entenda o ciclo menstrual e a ovulação:

A duração do ciclo da mulher é variável, sendo a mais comum entre os 23 e os 35 dias. Qualquer variação na duração do ciclo é mais provável que ocorra na fase anterior à ovulação (a chamada fase folicular). A maioria das mulheres tem um ciclo de 12 a 16 dias entre a ovulação e o início do período menstrual seguinte (a chamada fase lútea).


O ciclo menstrual: 

O período: O primeiro dia do seu ciclo menstrual é o primeiro dia do seu período. Geralmente, a partir daí o período prolonga-se por cerca de 3 a 7 dias. Provavelmente, já reparou que as dores menstruais, se as tiver, são mais fortes no primeiro dia do período. Isso deve-se ao facto de as hormonas do organismo estarem a forçar o útero a libertar o revestimento interior que se formou no ciclo anterior.

Preparação para a ovulação:  No início do ciclo, o seu organismo envia um sinal ao cérebro para que comece a produzir a hormona estimuladora dos folículos (FSH), a principal hormona envolvida na produção de óvulos maduros. Os folículos são as cavidades cheias de líquido existentes nos ovários. Cada folículo contém um óvulo imaturo. A FSH estimula uma série de folículos a desenvolverem-se e a iniciarem a produção de estrogénios. No primeiro dia do período menstrual, os estrogénios estão no seu nível mais baixo. A partir daí, começam a aumentar.

Normalmente, um folículo torna-se dominante e o óvulo amadurece dentro do folículo à medida que ele se torna maior. Simultaneamente, a quantidade crescente de estrogénios no organismo garante o engrossamento do revestimento interior do útero com sangue e nutrientes. Assim sendo, se realmente engravidar, o óvulo fertilizado terá todos os nutrientes e apoio de que necessita para crescer. Os níveis elevados de estrogénios estão também associados ao aparecimento de muco 'amigo do esperma‘ (ou, para lhe dar o nome técnico, muco cervical). Este muco pode aparecer sob a forma de corrimento fino, escorregadio, num branco baço. O esperma move-se com maior facilidade neste muco e pode sobreviver nele durante vários dias.



Ovulação: O nível de estrogénios no organismo continua a aumentar e, finalmente, provoca uma súbida rápida da hormona luteinizante (muitas vezes designada por 'pico de LH‘). Este pico de LH dá ao óvulo maduro o empurrão final necessário para que ele termine o seu amadurecimento total e se liberte do folículo. Este processo é conhecido como ovulação.

Muitas mulheres pensam que fazem a ovulação no 14º dia, o que nem sempre acontece. O dia de ovulação varia consoante a duração do seu ciclo. Algumas mulheres sentem pontadas durante a ovulação, mas muitas há que não sentem nada e não há mais nenhum sinal que indique que está em curso a ovulação.



Após a ovulação: Depois de se soltar, o óvulo (ou óvulos) move-se ao longo da trompa de Falópio em direcção ao útero. O óvulo pode sobreviver até 24 horas. A sobrevivência do esperma é mais variável mas é, normalmente, de 3-5 dias, pelo que os dias que conduzem à ovulação e o dia em que ocorre a própria ovulação, são os seus dias mais férteis – aqueles em que tem mais hipóteses de engravidar. Logo após a ovulação, o folículo começa a produzir outra hormona: progesterona.

A progesterona tem agora a missão de engrossar o revestimento interior do útero, preparando-o para um óvulo fertilizado. Entretanto, o folículo vazio começa a encolher, mas continua a produzir progesterona e inicia igualmente a produção de estrogénios. Nesta fase, pode notar sintomas de tensão pré-menstrual (TPM), como peito sensível, inchaço, letargia, depressão e irritabilidade.





Preparação para o próximo período: À medida que o folículo vazio encolhe, se o óvulo não for fertilizado, os níveis de estrogénio e progesterona diminuem porque estas hormonas deixam de ser necessárias. Sem os elevados níveis de hormonas para ajudar a mantê-lo, o espesso revestimento interior do útero começa a subdividir-se e o organismo liberta-o. Este é o início do seu período e também do seu próximo ciclo.




Ou para a gravidez: Se tiver sido fertilizado, o óvulo pode implantar-se com sucesso no revestimento interior do útero. Isto ocorre, normalmente, cerca de uma semana depois da fertilização.

Após a implantação do óvulo fertilizado, o organismo começa a produzir a hormona da gravidez, a gonadotrofina coriónica humana (GCh), que mantém activo o folículo vazio. Continua a produzir estrogénios e progesterona para impedir que o revestimento interior do útero seja libertado, até que a placenta (que contém todos os nutrientes necessários ao embrião) esteja suficientemente madura para manter a gravidez.






Deixe um comentário