Zoladex:  É indicada para controle de câncer prostático passível de manipulação hormonal. - controle de câncer de mama passível de manipulação hormonal, em mulheres na pré- e peri-menopausa. - controle da endometriose, aliviando os sintomas - inclusive a dor - e reduzindo o tamanho e o número das lesões endometriais. - controle de leiomioma uterino, reduzindo o seu volume na maioria dos casos, melhorando o estado hematológico da paciente e reduzindo os sintomas, inclusive a dor. É utilizado como adjuvante à cirurgia para facilitar as técnicas operatórias e reduzir a perda sangüínea intra-operatória. A melhora dos sintomas é observada durante o tratamento.


Não pode ser ultilizada durante a gravidez, pois há risco de aborto ou anormalidade fetal se forem utilizados agonistas LHRH na gravidez. O tratamento deve ser feito com o acompanhamento de um médico.

Mulheres que estejam fazendo o uso de ZOLADEX devem adotar métodos anticoncepcionais não-hormonais durante o tratamento.

Ao suspender o tratamento a mulher volta a menstruar normalmente. Outras por conta da idade entram na menopausa.


Reações do Zoladex:
Artralgia (dor na articulação), parestesias inespecíficas (sensação de formigamento ou ardência na pele), ressecamento da pele, alterações na pressão sanguinea, que podem se manifestar sob forma de hipotensão (pressão baixa) ou hopertensão (pressão alta), ondas de calor, suor excessivo, alteração da libido, Dores de cabeça, alteração de humor, depressão, ressecamento vaginal, pode ocorrer vermelhidão no local da injeção.

 Mais informações sobre a bula do Zoladex: http://www.api.adm.br/smf4/index.php?topic=35.0

Obs.: A Zoladex é uma injeção, aplicada na barriga da paciente, pode ser aplica com ou sem anestesia no local, a barriga pode  inchar ou não e pode ocorrer de ficar dolorido no local da aplicação.

O Zoladex possui em 2 dosagens: mensal 3.6 e trimestral 10.8, mas ai o médico especialista irá lhe indicar o tempo e a dosagem do seu tratamento.


Vídeo monstrando a aplicação da Zoladex:



A endometriose profunda é uma doença feminina, que ocorre quando há proximidade entre o útero e o intestino (endometriose), sendo que este poderá invadir partes adjacentes ao útero. A doença causa muita dor e o tratamento é complicado. Atualmente no Brasil, poucos hospitais estão prontos para fazer cirurgias nas pacientes que sofrem desta doença.

A endometriose profunda pode ser: do reto sigmoide (órgãos genitais), retro cervical, septo reto vaginal (espaço entre a vagina e o útero), útero sacro (quando envolvem os ligamentos do útero sacro, que fazem a sustentação do útero) e intestinal (envolve o intestino).
Esta doença pode causar infertilidade, até mesmo no caso de mulheres que usam técnicas de reprodução assistida.
A endometriose profunda pode ser originada da metaplasia, que é a mudança de um tecido embrionário em um outro tipo de tecido.



Como a Doença pode ser Diagnosticada:

É importante que a endometriose profunda seja diagnosticada rapidamente depois das queixas da pacientes. Os sintomas mais comuns são: para começar, uma dor muito grande e que causa muito desconforto na hora da relação sexual, cólicas fortes e dores intestinais intensas.


Ainda são sintomas da doença: a barriga inchada continuamente, dor na barriga, dificuldades para evacuar, e foi observado em alguns casos, sangramento através do reto, durante o período menstrual.

Para diagnosticar a endometriose profunda, o médico precisa fazer no exame ginecológico o toque vaginal e retal na parte posterior do útero, e avaliar principalmente a intensidade da dor da paciente no momento do exame.

Em alguns casos, quando a doença está localizada no intestino na parte superior, o médico pode não conseguir identificar e, para evitar um diagnóstico errado, o profissional faz exames complementares e analisa o histórico da paciente.

São feitos exames de sangue denominados “marcadores”, para ajudar no diagnóstico. Eles são feitos nos três primeiros dias do ciclo da mulher.

Os exames não são cem por cento seguros para o diagnóstico e nem para analisar a extensão do problema, mas são eficazes como auxiliares.
Os exames mais eficazes são aqueles de imagens, como o ultra som endovaginal, que é preciso e fácil de ser executado. Mas, claro que deve ser feito por um profissional qualificado. No Brasil, atualmente não existem muitos médicos preparados para executar este exame.

Para fazer o exame, a paciente passa por uma preparação, o intestino deve ser cem por cento limpo, para que as imagens sejam mais clara.

Se o exame endovaginal não é o suficiente para diagnosticar a doença, uma segunda opção é a Ressonância Magnética Pélvica e colonoscopia.

Diferente do primeiro exame citado, ressaltando a sua simplicidade, neste segundo caso, da Ressonância Magnética, se trata de um exame mais complexo.

A paciente deve ser sedada e se trata de um exame muito mais completo, que consegue localizar as lesões e até mesmo a profundidade dos órgãos atingidos. Enquanto isso, a colonoscopia é simples e mais adequada para avaliar as lesões no interior do intestino.


Fonte: http://www.dicasdesaude.info/doencas/endometriose-profunda


Olá meninas!!

 

Me chamo Rebeca, tenho 23 anos e fazem 4 anos que tento engravidar. Tenho Endometriose.

 

 

Menstruei com 12 anos e comecei a minha sexual aos 19 anos, assim que casei com Pedro, 26 anos, nunca tomei nenhum contraceptivo, não fazia coito interrompido, simplesmente deixava rolar. Porém os anos foram se passando e nada de gravidez, como sou muito curiosa comecei a pesquisar as doenças que causavam a infertilidade em um casal, foi apartir daí que comecei a achar que tinha algo de errado.

 

Fui à vários médicos e nenhum fazia uma investigação, foi quando marquei para uma especialista em Reprodução Humana (Dra. Altina Castelo Branco). Na primeira consulta ela me passou vários exames, na histerossalpinpografia foi visto que minha trompa direita estava posicionada pra cima (Crânio-lateral) como se ela tivesse com aderências, foi quando ela me encaminhou para uma vídeolaparoscopia com o Dr. Petrus Dornellas Câmara.

 
Fui pra consulta com o Dr. Petrus e a principil iria fazer a videolaparoscopia só para corrigir a trompa. No dia da cirurgia fiquei bastante nervosa e até chorei, pois ainda não tinha feito nenhuma cirurgia com anestesia geral, alias essa era a minha primeira cirurgia!!

 
Durante a cirurgia o Dr. Petrus viu alguns focos de endometriose e já tratou de cauterizá-los e tirou algumas amostras para a biópsia para fazer a confirmação da endometriose. Tudo correu bem na cirurgia, só fiquei um pouco enjoada após!

 
Levei o material para o laboratório e aguardei o resultado, quando peguei o resultado, tinha lá a confirmação que preferia nunca ter recebido (que eu era portadora da endometriose)!

 
Levei o resultado pra minha ginecologista e logo após a recuperação da videolaparoscopia já começamos as tentativas de engravidar, foi me passado três ciclos com Indux e ultrasom seriados, foi feito tudo certinho, porém o indux não funcionou comigo, em vez de induzir a ovulação ele tava fazendo os foliculos regredirem!!

 
Os três ciclos se passaram e nada aconteceu! Fiquei muito triste, pois fiz tudo certinho e não tinha dado certo!

 
Após os três ciclos com o indux, voltei ao consultório da Dra. Altina, ela me encaminhou para o Centro de Reprodução Humana para fazer uma Inseminação Artificial, ainda estou em processo de exames. Espero em Deus, logo está postando aqui o meu positivo pra vocês!


Nunca desistam dos seus sonhos!!!



 

 


Muitas portadoras da endometriose passam por esse procedimento. Então esclareça as suas dúvidas.





A cirurgia de videolaparoscopia é diferente de uma mulher para outra. Cada uma de nós tem uma experiência diferente baseada em nossas expectativas e também por causa da extensão da cirurgia, da profundidade da cirurgia, do cirurgião, das enfermeiras, como nosso corpo responde a dor e outros tantos fatores. E tem mais, cada mulher se recupera diferente. Os médicos podem nos dizer que apenas poucos dias serão necessários para se recuperar de uma Laparoscopia. Mesmo assim, muitas de nós, levam semanas para uma total recuperação.

Visão Geral da Cirurgia:  Esta cirurgia, usualmente, é feita sob anestesia geral no hospital. Geralmente uma pequena incisão será feita perto do seu umbigo e seu abdômem será cheio de gás CO2 (dióxido de carbono). O CO2 permite que o cirurgião tenha uma visão melhor dos orgãos internos. O cirurgião irá inserir um instrumento chamado laparoscópio através da incisão feita no seu umbigo. Duas outras incisões poderão ser feitas no seu abdômem para permitir a inserção de outros aparelhos cirúrgicos. Muitos cirurgiões colocam junto uma vídeocamêra com o laparoscópio para aumentar a visão, permitindo que a equipe médica veja o procedimento.
Durante a Laparoscopia, o médico examina os orgãos pélvicos, procurando por óbvias e atípicas lesões de endometriose bem como endometriomas, aderências. Dependendo de sua história e seus sintomas, o médico pode procurar também por miomas ou outras anormalidades. Outros procedimentos, como uma histeroscopia (exame dentro do útero) podem ser feitos também.

O diagnóstico e tratamento da Endometriose podem ser feitos durante o mesmo procedimento. Seu médico pode também remover as lesões e enviar ao laboratório para efetuar uma biópsia. Isto poderá detectar a presença da Endometriose.




Poucos dias antes da cirurgia:Faça todas as compras, limpeza e qualquer trabalho de casa que você tenha que fazer antes do dia da cirurgia, pois a última coisa que você precisará se preocupar é acerca de quanta roupa tem para passar. Compre comida fácil de preparar ou cozinhe antecipadamente e congele para ter refeições já prontas. Compre absorventes íntimos caso venha a precisar. Desmarque todo compromisso, por no mínimo duas semanas para se permitir relaxar e dormir, você precisará descansar. Tenha certeza que seus amigos e familiares saibam que você precisará de ajuda por um poucos dias. Tenha a certeza de ter um estoque de remédios contra dor receitados por seu médico, apenas em caso de precisar tomá-los.



Um dia antes da cirurgia:No dia anterior a cirurgia, faça refeições leves e saudáveis, beba muito líquido. Talvez não seja permitido comer ou beber após a meia-noite, então faça um pequeno lanche antes de dormir para prevenir a sensação de fome pela manhã.



Preparação IntestinalO seu medico pode pedir uma prerparação intestinal na noite anterior a cirurgia. O processo varia, mas usualmente inclui uma dieta líquida e outras preparações para limpar todo o intestino. Não é um processo agradável, mas é necessário. Converse com seu medico para saber o que esperar.



Quanto tempo você ficará no hospital ?As paciente de Laparoscopia geralmente saem no mesmo dia, mas se a sua cirugia tiver sido complexa ou profunda, você deverá passar a noite no hospital. Se tiver sido extirpado um pedaço do intestino você deverá ficar mais dias. É uma boa idéia, ir mentamente preparada para ficar pelo menos uma noite.



Medo: Quase todo mundo tem medo de cirurgia. Nós podemos nos preocupar com os riscos, a anestesia, a dor ou o que o cirurgião irá encontrar (ou não).


Roupas: Não se esqueça de usar roupas folgadas e roupa intíma (calcinha) que não aperte a linha do biquini ou o umbigo. Usar sapatos confortáveis facilitará a sua vida também. Leve seu próprio absorvente intímo, o qual for mais confortável para você, os dos hospitais podem ser pequenos ou grandes demais. Melhor ter o que você já usa e está acostumada. Leve chinelos, um roupão de banho, artigos de higiene pessoal. Leve um walkman para ouvir suas músicas favoritas ou algumas revistas para ler e manter sua mente ocupada enquanto espera.



Após a Cirurgia: Quando você acordar da anestesia você deverá estar com dor. Diga a enfermeira como está a sua dor para que possa ser medicada corretamente. A volta da anestesia geralmente nos faz ficar com muito frio, peça por cobertores se isto acontecer. Você provavelmente sentirá um desconforto na garganta por causa do tubo que é colocado em sua boca durante a cirurgia. Se os sintomas piorarem converse com a enfermeira e o médico.



Você poderá ter náuseas: Infelizmente, náuseas e vômito no pós-operatório são comuns. Se esta é sua primeira experiência com uma cirurgia, ou simplesmente a primeira vez que você acorda “enjoada”, chame a enfermeira quando perceber que está assim o mais breve possível. Além disso, se você perceber que vai vomitar, tente chamar a atenção de alguém, eles irão te dar uma bacia e te ajudar a sentar se for preciso.



Você se sentirá desconfortável: Quanto ? Ninguém poderah dizer. Isso vai depender de quanto é a sua tolerância a dor, mas também do que exatamente foi feito durante o procedimento cirúrgico. Sua dor vai provavelmente limitar suas ações no abdômem.



É possível que você tenha dor nos ombros: Isto acontece devido ao CO2 que ficou preso abaixo do seu diafragma. Esta irritação vai para os ombros, você poderá não sentir nada ou uma leve dor ou uma dor muito forte. A dor irá gradualmente diminuindo conforme o gás for sendo absorvido pelo seu corpo e consequentemente expelido. Isto pode demorar umas 48 horas.



Você ficará inchada: O inchaço, após a cirurgia deverá ser esperado. Isto acontece devido ao CO2 que o cirurgião usou, mas isto faz parte do processo de recuperação. A dor varia, pois depende de quanto CO2, o médico tirou antes de fazer os pontos. Peça a eles para tirarem o máximo possível. Andar ajudará o seu organismo a se livrar do excesso de gás.



Você poderá ter algum sangramento vaginal: Isto provavelmente será o equivalente a um fluxo menstrual leve. Prefira usar absorventes externos do que absorventes internos. Deverá acabar em poucos dias. Se o fluxo se tornar muito forte ou se você ficar preocupada com isto então cheque com seu médico.



Remédio para dor: Seu médico deverá te dar alta e prescrever uma medicação com uma receita médica, ou liberar você sem receita médica, podendo usar algum medicamento sem necessidade de receita. Em ambos os casos, se o medicamento para dor não estiver aliviando a dor, entre em contato com ele e peça por um medicamento mais forte. Não há necessidade de sentir dor. Não há problema se você pedir, antes da cirurgia, afim de ficar preparada.



Problemas intestinais: Constipação é comum após a Laparoscopia.


Pontos: Muitos hospitais agora usam pontos que se dissolvem no organismo, mas às vezes, por alguma razão eles não se dissolvem. Se após 7-10 dias você ainda sentir os pontos incomodando ou apertando, visite o seu médico.



Recuperação: Pelos primeiro 2 ou 3 dias seguintes a cirurgia, muitas mulheres se sentem cansadas ou debilitadas. Durante este período, tenha alguém que possa ficar com você – um parente ou uma amiga.

Nas primeiras 2 semanas após a cirurgia o seu médico pode pedir que você não dirija e nem tenha relação sexual, banho de banheira, ducha vaginal ou pratique natação.

Não espere muito de você mesma nos primeiros dias. Você deverá se sentir cansada e precisará tirar muitas sonecas. Entretanto, se estiver apta para andar, ande. Isto ajudará você a se recuperar rapidamente.

Passe as primeiras 24 horas descansando ou dormindo o máximo possível. Descanse na posição mais confortável. Colocar as pernas para cima com a ajuda de travesseiros poderá ajudar. Se precisar, peça ajuda para se sentar – os músculos do estômago estarão sensíveis e doloridos. Tenha um copo de água do seu lado com um canudo flexível ao alcance das mãos, pois assim você não terá que pedir ajuda a toda hora.



  Quando ligar para o médico? Se ocorrer uma hemorragia. Geralmente, quando um absorvente se encharca em 1 hora.
Se o seu umbigo começar a avermelhar, ou ter alguma secreção.
Se você tiver febre de 38 C ou mais alta.
Se você sentir dores extremas no pós-operatório.
Se você tiver algum sintoma o qual te faça sentir aflição ou agonia.

A coisa mais importante é ir com calma, e não pedir demais de você mesma. Sua recuperação poderá ser mais fácil se você cuidar de você e não tentar fazer as coisas apressadamente.



Primeira mesntruação após a cirurgia: A experiência da primeira menstruação pode ser dramática. Se o seu fluxo for mais doloroso, longo ou mais do que o habitual, não entre em pânico. A recuperação interna leva tempo. Por isso o seu primeiro fluxo pode ser doloroso. No entanto converse com seu médico, se você está preocupada com as dores ou se a dor for muito severa.


Converse com outras mulheresConversar acerca da experiência de cada uma pode ser benéfica. A informação acaba sendo valiosa para todas e principalmente para aquelas que irão enfrentar a cirurgia pela primeira vez.

Fonte: http://www.endometriosis.org/laparoscopy.html





A endometriose nos deixa confusas, cheias de perguntas, sem explicações e sem respostas. Abaixo tem as 09 dúvidas mas comuns sobre a endometriose, vejam:







1- Quais os principais sintomas de quem sofre da endometriose?

Cólicas menstruais intensas, que as vezes incapacitam as mulheres das suas atividades normais, a dor também pode ocorrer durante o ato sexual, alteração intestinal, urinário e a infertilidade.


2- Como diferenciar a cólica normal da endometriose?


Não tem como diferenciar uma cólica do período menstrual da endometriose, mas se existe os sintomas ou cólicas com resistência a rémedios, o melhor será procurar um médico ou especialista para investigar.


3- Os sintomas da endometriose pode confundir e retardar o diagnostico?

Sim, a endometriose pode acometer mulheres apartir da primeira até a última menstruação. Como os sintomas são muito parecidos com os do período menstrual muitas mulheres não se atentam a endometriose. 



4- A doença apresenta fatores hereditários, ou seja, se minha
mãe teve endometriose corro maior risco de apresentar a doença?

Alguns especialistas dizem que existem casos de fator hereditário, entretanto, existem casos de menstruação retrógada, que leva o endométrio para a cavidade abdominal permitindo o desenvolvimento da doença no local.

5- A endometriose pode virar um câncer?



O mecanismo entre as duas doenças tem muitas semelhanças, porém a relação entre a endometriose e o câncer é muito pequena, em torno de 0,5 a 1% dos casos. A endometriose não é uma doença maligna, mas se comporta de modo parecido. Embora, na maioria das vezes, esses crescimentos não tenham consequências letais, acaba provocando muitos incômodos.

6- Há casos de endometriose como sintomas bem discretos enquanto outros são bem mais graves. Como posso classificar a doença?

A classificação da endometriose leva em conta a extensão da doença, pra isso é preciso fazer uma videolaparoscopia diagnóstica.

7- A videolaparoscopia, é um teste diagnóstico que avalia a extensão da doença e uma forma de iniciar um tratamento dela?

Depois que se faz uma análise da cavidade abdominal, dos pontos com comprometimento pela doença, procura-se cauterizar focos que se encontram nos ovários, trompas, útero, peritônio e intestino. A extensão da doença varia dos orgãos que a endometriose comprometeu.

8- A endometriose provoca alteração no ciclo menstrual, essas alterações causam a infertilidade feminina?

A infertilidade pode se manifestar em alguns casos. Mulheres em casos avançados, podem ter aderência e muitos focos de endometriose, nesses casos a paciente terá que fazer um tratamento com hormônios e um tratamento cirurgico. Geralmente após a videolaparoscopia e tratamento algumas conseguem engravidar.

9- Em casos de retirada de todas as lesões da endometriose por laparoscopia, há riscos de reincidência?

Em casos de paciente que não querem engravidar começa um tratamento para suspender a menstruação com anticoncepcional, mas mesmo assim a doença pode voltar a existir. Já as paciente que querem engravidar, o tratamento pode ser a base de indutores para induzir a ovulação ou através da  Coito programado, FIV ou IA.




Fonte: http://www.minhavida.com.br/saude/materias/1646-10-duvidas-comuns-sobre-a-endometriose


A endometriose é uma doença que acomete cerca de 15% das mulheres em todo o mundo em idade reprodutiva que consiste na presença de células endometriais em locais fora do útero (Endométrio: Camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação), diminuindo a sua qualidade de vida e é também conhecida como a doença da mulher moderna.  A endometriose não tem cura!

Especialistas que cuidam de mulheres portadoras da endometriose se deparam com pessoas cansadas, tristes, deprimidas e frágeis pela dor que enfrentam.

Segundo especialistas, a endometriose é uma doença evolutiva.



Causas da endometriose:

Durante a menstruação células endometriais, que reveste internamente o útero, sejam enviadas pelas trompas para dentro da cavidade peritoneal. Alguns pesquisadores dizem ser uma doença genética, outros sugerem como uma doença do sistema de defesa do corpo. Mas a única certeza que temos é que sofremos da endometriose e ponto!




Onde se localiza a endometriose:

Os locais mais comuns da endometriose são: Ovários, Fundo de saco de Douglas (atrás do útero), área entre o útero e  o reto, trompas, entre a vagina e o reto, bexiga, peritônio pélvico.

Os locais menos comum da endometriose são: Intestino, diafragma, parede abdominal.


Alguns sintomas:

Os principais sintomas são: DOR e INFERTILIDADE.




Cerca de 20% das mulheres têm apenas dor, 60% têm dor e infertilidade e 20% tem apenas a infertilidade.

A dor da endometriose pode parecer uma cólica menstrual intensa (87% dos casos), ou dor abdominal/pélvica durante à relação sexual (55% dos casos). As dores surgem de repente, trazendo transtorno físico, mental e social.

Sintomas intestinais, como diarreia, sangramentos fora do normal, dor ou/e sangramento ao urinar.



Como diagnosticar??

Geralmente o ginecologista suspeita da endometriose em casos de infertilidade sem explicações. A confirmação da doença é feita através da VIDEOLAPAROSCOPIA com ou sem biópsia.

VIDEOLAPAROSCOPIA: Técnica cirúrgica minimamento invasica realizada por auxílio de uma endocâmara no abdômen.



Tratamentos:

O tratamento varia de acordo com a necessidade de cada uma das pacientes (o desejo de engravidar, a intensidade dos sintomas e a idade da paciente).

Atenção especial deve ser dada para a paciente que quer engravidar, provavelmente ela será encaminhada para um 'Centro de Reprodução Humana' antes da dá início ao tratamento. Pode ser feito uma cirúrgia e depois um tratamento hormonal.

O tratamento cirúrgico é feito pela videolaparoscopia, onde os focos de endometriose são destruídos por um laser ou bisturi elétrico.

O tratamento clínico podem ser usados para aquelas mulheres que não pretedem engravidar, podem ser feitos com injetáveis ou pílula anticoncepcionais.

No entanto, algumas mulheres portadoras da endometriose não conseguem engravidar, então recorrem a Inseminação Artificial ou a Fertilização in Vitro.